Palavras em Japonês – Expandindo o seu vocabulário

Possuir um vocabulário grande é indispensável para entender e falar japonês. Apesar de ser impossível contar quantas palavras uma pessoa sabe (quantas palavras em português você sabe?), é fato que quanto maior o número de palavras em japonês que você sabe, maior a capacidade de compreensão, e quanto maior a capacidade de compreensão, melhor é a sua comunicação.

Afinal, você quer ter um vocabulário grande o suficiente para usufruir das coisas originais em japonês, não? Por isso, não basta memorizar frases simples de livros de conversação, é preciso ter um plano estratégico para desenvolver um rico vocabulário!

Eu já testei inúmeras formas de ampliar o vocabulário. Inclusive, eu fazia listas de palavras em japonês em um caderno e comprovei que esta é a pior das formas de aprender!

Aprendendo Palavras em Japonês

Neste artigo, vou compartilhar com você o que funciona quando o assunto é aprender novas palavras em japonês.

Antes de tudo

Antes de começar a aprender palavras em japonês, é indispensável que você já tenha entendido como funciona a escrita japonesa e já ter aprendido ao menos o HIRAGANA. Conforme eu expliquei neste artigo, não é possível aprender a falar japonês sem aprender também a ler, a não ser em condições especiais que provavelmente não são o seu caso (uma delas, por exemplo, é crescer em uma família japonesa e ter o japonês como primeira língua).

Por isso, comece o quanto antes a se familiarizar com a escrita japonesa e a aprendê-la, isto será fundamental para você começar a aprender palavras em japonês. Todos os textos, bons materiais e dicionários trazem as palavras escritas utilizando o alfabeto japonês e você precisará estar apto a lê-los.

Extraindo palavras em japonês de frases

O nosso cérebro trabalha melhor com associações. Se aquilo que você está tentando aprender estiver diretamente associado a coisas que você já sabe, acabará absorvendo muito mais rápido. Não sou neurocientista, mas sei de forma simplista que o cérebro trabalha com a formação de redes neurais, interligando as informações de acordo com a constância que elas aparecem juntas uma da outra. Basicamente, você acessará uma informação mais rápido se ela estiver próxima.

Desta forma, se aprendermos as palavras sempre através de frases, o aprendizado acaba tendo mais qualidade, pois em geral, as palavras possuem alguma relação entre si e podem ser utilizadas juntas quando estão dentro de uma sentença.

Memorizando as frases

Não é necessário anotar a frase ou as palavras em um caderno, isso é coisa do passado e é por isso que antes as pessoas não aprendiam japonês. Devemos aproveitar a tecnologia dos dias de hoje e utilizar um aplicativo de repetição espaçada, que garante que revisemos o conteúdo em um espaço de tempo de acordo com o quanto já conseguimos memorizar.

Você não pode estudar japonês da mesma forma que estudavam há 10 anos atrás. Você deve usar e abusar dos aplicativos e websites disponíveis nos dias de hoje.

Eu recomendo o Anki, que possui suporte para computador e smartphones.

Você pode criar cartas onde, na parte da frente, você insere a sentença, e na parte de trás, você insere todas as informações necessárias para compreendê-la. Assim, suas revisões consistirão em ler novamente a frase em japonês e verificar se você lembra o significado.

Aprendendo palavras em japonês

Na imagem acima, temos um exemplo de carta criada no Anki. Na parte da frente, inseremos a frase “ここは私の学校です”, que significa “Aqui é a minha escola”. Na parte de trás (back), inserimos todas as informações necessárias para entender a frase. No caso, a leitura das palavras em KANJI e também os significados.

Fazendo suas revisões, você estará relendo as sentenças estudadas e assim, de forma totalmente natural, acabará memorizando as palavras. As palavras sempre estarão dentro de um contexto (a sentença), o que faz com que você vá adquirindo segurança para utilizá-las corretamente depois.

Encontrando sentenças em japonês

As sentenças que você estudará devem estar de acordo com o seu nível atual de japonês. Talvez esta seja a etapa mais difícil para um iniciante, mas o seu objetivo é chegar a um nível onde você possa tranquilamente extrair sentenças de conteúdos reais em japonês, como livros, websites, mangás e revistas. Quando você está começando, você encontrará boas sentenças em materiais didáticos de japonês.

Esta é uma forma mais eficiente de se utilizar os materiais didáticos. Ao invés de fazer os exercícios chatos de completar frases (que não funcionam!), você estuda as sentenças fornecidas pelo material e cria cartas para o seu Anki.

Um ponto importante a considerar é que o nível de dificuldade da sentença não esteja muito além do seu grau de compreensão atual. As melhores sentenças são as sentenças “um pouco difíceis”, de preferência que você já conheça algumas palavras e a estrutura da sentença.

Alguns links para encontrar sentenças em japonês:

Dentro do nosso curso, os alunos aumentam o vocabulário vocabulário utilizando exatamente este método, sendo que as sentenças são fornecidas pelo material desde o nível mais básico até as sentenças mais completas, aumentando o grau de dificuldade de forma gradativa. Também realizamos, juntos, atividades de extrair sentenças de textos maiores e de conteúdos nativo-japoneses.

Resumo

  • Quanto maior o seu vocabulário, melhor
  • Fazer lista de palavras isoladas não é eficiente para seu aprendizado
  • O ideal é que as palavras sempre estejam dentro de um contexto, ou seja, uma sentença
  • Você pode memorizar as sentenças utilizando um software de memorização, sendo que recomendo o Anki

O que achou? Deixe o seu comentário!

 

Últimos comentários
  1. marcelo 2 de fevereiro de 2015
    • Luiz Rafael 3 de fevereiro de 2015
  2. Kelmir 3 de fevereiro de 2015
    • Luiz Rafael 3 de fevereiro de 2015
  3. Nathalia 14 de fevereiro de 2015
  4. Monica 24 de fevereiro de 2015
  5. MitikoMatsumura 26 de fevereiro de 2015
  6. Matheus Assis 13 de março de 2015
  7. Nilton 21 de março de 2015
    • Luiz Rafael 30 de março de 2015
      • Vitor 22 de abril de 2016
  8. jackson 30 de março de 2015
  9. Érica 3 de abril de 2015
    • Luiz Rafael 3 de abril de 2015
  10. Álvaro 8 de abril de 2015
    • Luiz Rafael 9 de abril de 2015
      • Álvaro 9 de abril de 2015
  11. Carol Moretto 8 de agosto de 2015
    • Luiz Rafael 8 de agosto de 2015
  12. Pam 19 de agosto de 2015
  13. Ygor 26 de agosto de 2015
  14. carlos 18 de novembro de 2015
  15. eric da costa 22 de fevereiro de 2016
  16. Andre 3 de março de 2016
  17. Tiago Gazzola 23 de abril de 2016
  18. Andriele Soyan 9 de junho de 2016
  19. Rodrigo 14 de julho de 2016
  20. Mel 27 de julho de 2016
  21. ALAN 23 de setembro de 2016
  22. Antônio 9 de janeiro de 2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *