Alfabeto Japonês – Como funciona

Como é o alfabeto japonês? Como ele funciona? Por onde começar a aprender a escrita japonesa?

Estas perguntas são bem comuns para quem está despertando interesse em tornar-se apto a falar e ler em japonês. Eu também comecei assim, buscando primeiro entender o que significavam aqueles tracinhos. Lembro-me que uma das primeiras coisas que fiz em japonês foi tentar escrever o nome de meus familiares e meus amigos.

Se este for o seu caso, este artigo explicará de forma rápida e simplificada sobre o alfabeto japonês! É importante salientar que este artigo foi pensando em uma pessoa completamente leiga no japonês, escrevi pensando justamente no que eu queria ter lido por volta de agosto de 2003, quando dei meus primeiros passos na língua japonesa.

Alfabeto Japonês

Aprender a escrita japonesa é fácil e permite que você seja capaz de ler livros, websites, revistas, mangás e todos os demais conteúdos escritos em japonês.

Alfabeto japonês – Três sistemas de escrita

O japonês não possui um único alfabeto, e sim três sistemas de escrita. Aliás, o próprio termo “alfabeto japonês” não está correto, pois “alfabeto” é o nome do sistema de escrita que usamos aqui no ocidente. O termo mais correto seria “sistema de escrita japonesa”, sendo que cada uma delas possui um nome.

Os três sistemas são: HIRAGANA, KATAKANA e KANJI, sendo que os três são usados ao mesmo tempo, cada um em sua situação específica. Ou seja, para tornar-se capaz de ler tudo em japonês, você precisa aprender os três.

HIRAGANA

O HIRAGANA é um sistema de escrita onde cada símbolo representa um som, o equivalente a uma sílaba do português. Ou seja, você não junta duas letras para formar um som, e sim a letra por si só já é um som (apesar de em alguns casos, a união entre duas letras acaba formando um novo som, mas isto é assunto mais aprofundado).

Alfabeto Japonês Hiragana

São 46 letras e teoricamente é possível escrever todas as palavras do japonês com ele, mas é principalmente utilizado para conjugar verbos, para partículas e para algumas palavras que, por convenção, são escritas apenas em HIRAGANA.

O HIRAGANA é o primeiro alfabeto japonês que você deve aprender, tudo começa por ele, servindo como base para todos os restos. Inclusive as crianças japonesas, na escola, também começam a aprender a ler e escrever através do HIRAGANA.

KATAKANA

O KATAKANA também possui 46 letras e é mais utilizado para palavras de origem estrangeira, como nome de países, nome de pessoas estrangeiras (o seu nome será escrito em KATAKANA!), além de onomatopeias e outros casos onde o autor tenha um motivo específico para usá-lo.

Alfabeto Japonês Katakana

Para cada HIRAGANA, existe um KATAKANA, ou seja, após você aprender o HIRAGANA, tudo o que precisa fazer é fazer associação para aprender também o KATAKANA. Devido a isso, o KATAKANA é o segundo alfabeto japonês que devemos aprender.

KANJI

O KANJI é o sistema de escrita que devemos aprender após ter aprendido o HIRAGANA e o KATAKANA. A principal diferença é que o KANJI não é fonético, ou seja, cada letra não representa um som. Cada símbolo representa uma ideia, cada símbolo possui um significado.

Alfabeto Japonês Kanji

Os KANJIs são utilizados para escrever grande parte das palavras em japonês, sendo que o HIRAGANA pode ser utilizado para expressar como essa palavra deve ser lida foneticamente.

Como o KANJI é um assunto mais extenso, recomendo que você leia um artigo que fala exclusivamente sobre ele, basta clicar aqui.

Quer saber mais sobre a escrita japonesa? Clique aqui para ler este artigo mais detalhado.

Últimos comentários
  1. Henilson 22 de janeiro de 2015
    • Luiz Rafael 22 de janeiro de 2015
  2. Olar Luiz 25 de janeiro de 2015
  3. Mihuki Yamamoto 27 de janeiro de 2015
  4. Edson Eguti 1 de março de 2015
  5. Mauro Soutto 12 de maio de 2015
    • Luiz Rafael 13 de maio de 2015
      • fabricio makamura 14 de outubro de 2016
  6. sara leal da silva 25 de agosto de 2015
    • João 19 de maio de 2016
    • Gabrielle 1 de julho de 2016
  7. Ana Kássia 13 de setembro de 2015
  8. erica barros soares 14 de novembro de 2015
  9. erica barros soares 14 de novembro de 2015
  10. lucas 24 de novembro de 2015
    • Luiz Rafael 24 de novembro de 2015
  11. johnatan 5 de dezembro de 2015
  12. Graziele 27 de dezembro de 2015
  13. ariadny 2 de fevereiro de 2016
    • Gabrielle 1 de julho de 2016
  14. Stela 20 de fevereiro de 2016
    • Samuel 23 de março de 2016
  15. Vitoria 20 de fevereiro de 2016
    • João 19 de maio de 2016
    • Gabrielle 1 de julho de 2016
  16. Luana 24 de março de 2016
    • Luiz Rafael 27 de março de 2016
  17. naômily 8 de abril de 2016
  18. Thales 23 de abril de 2016
    • João 19 de maio de 2016
  19. Leticia 8 de maio de 2016
  20. João 19 de maio de 2016
  21. Fernando 27 de maio de 2016
    • Gabrielle 1 de julho de 2016
  22. joao lopes 25 de junho de 2016
  23. joao lopes 25 de junho de 2016
  24. Thiago Luan 27 de junho de 2016
  25. william thiago santos costa 30 de junho de 2016
  26. Gabrielle 1 de julho de 2016
  27. Liliam mary 7 de julho de 2016
  28. Paulo Guerra Filho 13 de agosto de 2016
  29. jana 30 de agosto de 2016
  30. Sara stefanie 6 de setembro de 2016
  31. Érica 25 de setembro de 2016
  32. Guilherm 4 de outubro de 2016
    • Luiz Rafael 4 de outubro de 2016
  33. VILSON SCHENFELD 25 de outubro de 2016
  34. Maria Ines 10 de novembro de 2016
    • Aisha 1 de dezembro de 2016
  35. Aisha 1 de dezembro de 2016
  36. joão pedro 16 de dezembro de 2016
    • dillan 10 de janeiro de 2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *