Os Templos de Kyoto

postTemplosDeKyoto-blog
Hoje vamos falar de mais um ponto turístico muito conhecido do Japão: os muitos templos que existem na cidade de Kyoto.

Muitos templos. Muitos mesmo.

Kyoto, きょう, já foi capital do Japão. Hoje ela continua sendo uma cidade bastante importante, muito lembrada por ser o lar de incontáveis templos religiosos voltados ao budismo e ao xintoísmo – que são as principais religiões dos japoneses. Kyoto é uma cidade muito procurada por turistas, mas sem os arranha-céus encontrados em Tokyo por exemplo. No entanto, ainda conta com uma beleza natural considerável.

Os templos em Kyoto são centenas, milhares até. Na verdade, eles passam de dois mil, tornando praticamente impossível para um turista (ou mesmo algum morador da região) conhecer todos.

Por isso, o mais comum é que se escolha certo número deles e os visite com calma, sem pressa, para conhecer e desfrutar da beleza de uns poucos templos, em vez de conhecer correndo dezenas deles.

Escolher quais os templos que merecem ser visitados não é algo simples, principalmente para quem está lá pela primeira vez. Mesmo assim, vale citar alguns que se destacam.

Os templos mais famosos

きよみずでら (Kiyomizu dera): Basta dizer que esse templo é considerado patrimônio cultural da UNESCO. Foi construído há mais de 1.200 anos, sendo o segundo mais antigo de Kyoto. É um templo construído sem o uso de um único prego – todas as vigas de madeira foram encaixadas. 清水 (kiyozumi) significa “água fresca”, e o local é famoso por sua fonte considerada sagrada. Dizem que quem beber essa água tem sorte e purificação.

きんかく (Kinkaku-ji): Seu nome pode ser traduzido como Templo do Pavilhão Dourado. Isso porque dois de seus três andares são cobertos com folhas de ouro puro, além de ter uma fênix dourada na parte superior do templo. Hoje, o que se vê é uma versão da construção original, destruída há décadas em um incêndio.

ぎんかく (Ginkaku-ji): Pode ser traduzido como Templo do Pavilhão Prateado. O nome revela a possível intenção de que ele fosse da cor prata, assim como seu “irmão” dourado. No entanto, não foi o que aconteceu, devido a uma guerra. Por isso o “prateado” ficou só no nome.

さんじゅうさんげんどう (Sanjuusangen-dou): Nome que pode ser traduzido como Templo dos 33 espaços, devido a haver 33 espaços divididos por pilares. Mas o nome verdadeiro é れんおういん (Rengeou-in), que pode ser traduzido como Salão do Rei de Lótus. Esse templo é famoso por conter as 1.001 estátuas de Kannon, que é a divindade principal do templo.

てつがくみち (Tetsugaku no michi): Literalmente, “o caminho do filósofo”. É, literalmente, um lindo caminho que começa no Templo do Pavilhão Prateado, e segue ladeado por um rio, várias cerejeiras e uma bela paisagem, passando pela entrada de alguns templos menores.

Muito mais poderia ser dito, e muitos outros templos poderiam ser mencionados. Mas por ser um conteúdo muito extenso, o ideal é que cada um possa um dia conhecer pessoalmente as belezas de Kyoto.

Sentenças de exemplo

きょうぼくふるさとです
Kyoto é minha terra natal.

京都 é a cidade de Kyoto. 僕の significa “meu” ou “minha”. E 故郷 quer dizer “terra natal”.

きょうじんじゃゆうめい
Kyoto é famosa pelos templos.

京都 é a cidade de Kyoto. 神社 significa “templos”. 有名 quer dizer “famosa”.

明日あしたはつもうできます
Amanhã irei fazer a primeira visita do ano ao templo.

明日 significa “amanhã”. 行きます é o verbo “ir”. 初詣 é o nome dado ao ato de ir pela primeira vez no ano a um templo após o ano novo.

Gostou? Agora é hora de aprender mais japonês!

Gostou do artigo? Tem algum conhecimento para compartilhar? Você pode deixar o seu comentário abaixo ou inserir o seu e-mail para receber nosso livro digital Desvendando a Língua Japonesa, e assim começar a aprender japonês agora mesmo!

Últimos comentários
  1. Bruno Moraes 6 de abril de 2016
    • Caio Queiroz 7 de abril de 2016
      • Bruno Moraes 7 de abril de 2016
  2. Caio Queiroz 6 de abril de 2016
  3. Caio Queiroz 6 de abril de 2016
  4. Caio Queiroz 6 de abril de 2016
  5. Yoshio 11 de abril de 2016
  6. Luiz Nakamura 11 de abril de 2016
  7. Masamutsu Nashiro 11 de abril de 2016
  8. Ken Ono 11 de abril de 2016
  9. Celia Sakiyama Kawakami 26 de abril de 2016

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *